segunda-feira, 26 de agosto de 2013

capitulo V



Capitulo V


Ana está em casa sozinha. Está mais aliviada desde que falou com Miguel. Juntos irão conseguir ter o Santiago de antigamente de novo.

Lembra-se de como tudo começou. Foi num dia chuvoso, tinha acabado de chegar á universidade. O chapéu-de-chuva tinha-se estragado e estava toda encharcada juntamente com todos os livros, cadernos e trabalhos que tinha nas mãos, quando tropeçou e cai mesmo numa poça espalhando tudo o que tinha nas mãos.

Começa a chorar, estava sobre grande stress devido a apresentações e frequências. Quando alguém lhe tocou no ombro, assustou-se.

Olha para o lado e repara numa cara masculina sorridente, empresta-lhe o chapéu de chuva. Tinha cabelo preto, todo molhado e agarrado á cabeça.

Quando agarra o chapéu de chuva, sorri-lhe envergonhada.

- espera, levanta-te mas não te vás embora – Pede-lhe o estranho enquanto a ajuda a levantar

Nem tenho tempo para responder, ele começa logo a apanhar as coisas dela espalhadas pelo chão.

Quando já estavam os dois debaixo do chapéu, encaminharam-se para o edifício da universidade em silêncio.

-pronto já chegamos. Muito obrigada. Se não fosse você ainda estava á chuva! – agradece Ana

- não tens que agradecer. Vi-te tão atrapalhada que tinha de te ajudar. E já agora, chamo-me Santiago mas podes tratar-me por Santi.

-Eu sou Carolina. Obrigada ,aos uma vez, mas agora tenho que ir para a aula.

------------------------------------------------------------------------------------------------------
Santiago já tinha saído do escritório á meia hora, hoje fez horas a mais. São 19h e encontra-se num bar com uma cerveja á frente.

Pena no seu relacionamento com Ana, ela não é capaz de fazer as coisas que ele lhe pede, mantem sempre o trabalho á sua frente. A sua mãe era incapaz fazer isso ao seu pai.

Ainda se lembra de ouvir a sua mãe a chorar, do som do cinto a bater contra a pele enquanto se escondia no roupeiro.

Quando a mãe já não se conseguia levantar, o seu pai dirigia-se ao roupeiro onde estava escondido.

-Anca cá seu bastardo! Vem já aqui! – Gritava o seu pai



Eu ia encolhido sabendo que mal chegasse ao pé dele, ia sentir o couro do cinto na sua pele enquanto a sua mãe já só conseguia murmurar para deixar o menino em paz, que batesse nela.

7 comentários:

  1. comecei a seguir-te, espero que me sigas *
    Fico a espera da tua opinião,
    pensando com arte.

    ResponderEliminar
  2. Por mais difícil que estejam as coisas não devemos desistir de quem gostamos, todos temos as nossas fases. Ninguém é perfeito, mas juntos podemos apagar as imperfeições. Gostei muito *.*

    ResponderEliminar
  3. Olá Briana!
    Muito obrigado por teres passado e teres deixado um comentário!
    Vou tirar um tempinho para ler a tua história e, claro, estou a seguir ambos os blogues!

    ResponderEliminar
  4. Gostei :)
    http://trapeziovermelho.blogspot.pt

    ResponderEliminar